Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Construção civil recua 6% e demite 105 mil em 2017

 

 

  

De acordo com a CBIC, a construção civil, que hoje representa cerca de 7,3% do Produto Interno Bruto (PIB), terá um impacto negativo de 0,5% na economia este ano. "Se não tivéssemos andado para trás, o PIB [nacional] neste ano seria de 1,2% e 1,3%", disse o presidente da CBIC, José Carlos Martins,

No mercado imobiliário, no terceiro trimestre, as vendas de imóveis caíram 5,1% e os lançamentos diminuíram 11% em comparação com o segundo trimestre deste ano. 

Para Martins, um dos principais motivos da retração foi a queda do aporte de investimentos públicos. 

Os investimentos do governo federal atingiram em 2017 os menores valores dos últimos dez anos em termos reais. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), principal programa federal de investimentos, de janeiro a outubro, sofreu uma redução de 40,9% se comparado com o mesmo período do ano anterior. Já o Minha Casa, Minha Vida sofreu um recuo de 61,4%.

Para Martins, um dos principais pontos é destravar o crédito na Caixa, principal banco que financia a habitação no país. O crédito hoje está bloqueado pela necessidade de capitalização para enquadrar-se nas regras prudenciais da Basileia. Segundo Martins, o compromisso do Senado é avaliar a questão esta semana.

O dirigente citou também a demora na contratação dos empreendimentos do  Minha Casa Minha Vida. Segundo Martins, das 20.000 unidades autorizadas em junho, só foram contratadas 1.000 até agora. 

Na semana passada, ele reuniu-se com o presidente Michel Temer e sugeriu que, nas seleções dos empreendimentos para o programa, sejam priorizados os projetos que já estão prontos.

Ainda em relação a financiamentos, Martins atacou estudos em curso no Banco Central para mexer no direcionamento dos recursos da caderneta de poupança para o setor imobiliário.

“Está totalmente errado”, afirmou. Se isso for feito, alertou, os bancos optarão por financiar empreendimentos “na Berrini”, mas não haverá recursos para cidades menores.

“O maior problema é ter só três bancos privados”, disse. Ele contou ter falado com Temer sobre a “concentração absurda” no mercado financeiro brasileiro.

                   

Fonte: Vermelho, 12 de dezembro de 2017

 

Fonte: sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 1 =