Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Greve faz indústria do Paraná deixar de faturar R$ 550 milhões por dia, diz Fiep

Se paralisação dos caminhoneiros persistir até a próxima segunda-feira (28), vários setores terão que interromper a produção

 

A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) divulgou um levantamento, nesta quinta-feira (24), segundo o qual a greve dos caminhoneiros tem provocado um impacto de R$ 550 milhões por dia ao setor industrial do estado. O volume financeiro diz respeito ao que o segmento deixa de faturar com a paralisação – isso “sem contar os inúmeros outros prejuízos causados pela interrupção não prevista na produção”. A projeção foi feita com base no faturamento das indústrias paranaenses.

LEIA TAMBÉM: Greve dos caminhoneiros faz governo do Paraná restringir uso de frota oficial

De acordo com a nota, o principal problema é de ordem logística: as indústrias não conseguem receber matérias-primas, nem escoar a produção. O presidente da Fiep, Edson Campagnolo, classificou o conjuntura como “gravíssima” e chegou a afirmar que a continuidade da greve pode afetar até o pagamento de salário aos funcionários do setor industrial.

“Isso preocupa bastante, principalmente porque compromete a operação com bancos, já que as contas não param de chegar, e pode afetar inclusive o pagamento de salários e impostos. A situação é gravíssima para as empresas e para toda a economia do Paraná e do Brasil, especialmente neste momento em que ainda lutamos para superar a crise dos últimos anos”, disse Campagnolo.

Outros prejuízos

Além da quebra no faturamento, a Fiep menciona outros tipos de prejuízos, como o descarte de produtos e matérias-primas perecíveis. “Há ainda o caso de indústrias que, por peculiaridades de seus processos produtivos, não podem simplesmente desligar determinados equipamentos, como fornos e caldeiras”, consta da nota.

Outro levantamento interno preparado pela Fiep junto a sindicatos aponta que a maioria dos setores ligados à indústria já sofre prejuízos – principalmente em relação a atrasos no faturamento junto a clientes, falta de recebimento de matéria-prima para produção e interrupção de atividades. A entidade destaca que trabalhadores chegaram a ser dispensados, o que impacta no cronograma de entrega das indústrias.

Setores

O Sindicato da Indústria do Trigo do Paraná (Sinditrigo) afirma que, se a greve persistir, deve haver escassez do produto no mercado consumidor. Isso porque o parque moageiro do Paraná – que conta com 67 moinhos – está praticamente parado. “Em breve deve começar a faltar farinha nas padarias, causando desabastecimento para a população”, relatou o presidente do sindicato, Daniel Kümmel.

LEIA TAMBÉM: O dono de posto que reservou o estoque para viaturas, pensando na segurança da cidade

Na metalurgia, 75% das 90 indústrias filiadas ao Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Pato Branco (Sindimetal), no Sudoeste do Estado, paralisaram suas atividades. Se a greve não for interrompida até a próxima segunda-feira (28), a paralisação na produção será total. “Já não há insumos para continuar a produção. Outro fato que preocupa é espaço para estocar o que já está pronto, mas não foi entregue devido à interrupção das estradas”, informou o sindicato.

Na região de Londrina, que congrega mais de 600 indústrias do segmento do vestuário, já começa a faltar tecidos, principalmente nas micro e pequenas empresas que têm estoque reduzido. Com isso, o prazo de entrega dos produtos já está comprometido, assim como o faturamento aos clientes. “Com as estradas paradas não conseguimos nem entregar o que já estava previsto”, afirmou Alexandre Graciano, do Sindicato do Vestuário do Paraná. Problema semelhante enfrentam as indústrias de Arapongas, maior polo moveleiro do Paraná.

Fonte: Gazeta do Povo, 25 de maio de 2018.

 

Fonte: sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × dois =