Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Da ameaça ao pânico, WhatsApp volta a lotar postos no país

Checadores passam a priorizar o 'mundo fechado' do aplicativo, que deixou Facebook para trás

 
 

Domingo à tarde, correram por WhatsApp e mídia social fotos de filas nos postos de combustível, em Minas.

Era efeito de outras mensagens, com comunicado de origem obscura (acima) e ao menos três áudios com ameaças, compartilhados desde a sexta (31), sobre nova greve de caminhoneiros. Líderes negaram, mas os postos lotaram mesmo assim.

Pouco antes, a Associated Press despachou a reportagem “Jornalistas desmascaram rumores no WhatsApp antes da eleição no Brasil”. Abriu citando o caso do “jatinho do filho do Lula”, desbancado pelo projeto de checagem Comprova, um dos que vêm priorizando entrar no “mundo fechado do WhatsApp”.

A AP lembra que em maio o aplicativo “ajudou caminhoneiros independentes a organizar uma greve nacional”.

WHATSAPP SOBE

No site Meio & Mensagem, “22% dos brasileiros deleteram uma conta de rede social no último ano”, segundo pesquisa Mintel. A consultoria britânica arrisca que, por estarem em muitas plataformas, eles vêm deletando as que “já não despertam interesse”.

Dos 1.500 ouvidos, 83% afirmaram que acessam o WhatsApp várias vezes ao dia. Facebook, 62%. YouTube, 50%.

 

Fonte: Folha de S.Paulo, 4 de setembro de 2018.

 

Fonte: sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + dezesseis =