Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Dados do Caged sobre desemprego são desanimadores

Animação com o mercado de trabalho é frágil, escreve José Paulo Kupfer, colunista econômico do site Poder 360.

 

 

Segundo ele, nada também indica tão bem as bases do futuro econômico quanto a situação do mercado de trabalho. “Se o bolso é a parte mais sensível do corpo humano, o mercado de trabalho é uma das partes mais sensíveis – se não a mais sensível – do corpo econômico”, afirma, complementando que “apesar das suas peculiaridades, nada reflete melhor o ânimo das pessoas com a economia do que a dança cotidiana do emprego e do desemprego”. 



Kupfer alerta que são muitas as indicações de que persistem as dificuldades no mercado de trabalho. “Mas nem por isso quem quer se animar com o futuro próximo da economia deixou de ficar animado com o saldo de 530 mil novas vagas no mercado de trabalho formal em 2018, divulgado nesta semana”, escreve ele, referindo-se ao primeiro resultado positivo em 3 anos, de acordo com os números do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). “O Caged contabiliza as informações mensais de admissão e demissão de pessoal fornecidas diretamente pelas empresas. Mas a situação está longe de poder ser considerada ‘animadora’”, constata.



Bolsonaro em Davos



O volume de vagas abertas no ano expressa um montante sazonalmente ajustado pouco superior a 400 mil novas vagas, metade do que os analistas mais animados projetavam no início do ano passado, segundo Kupfer. “Com esse resultado, fica faltando repor ‘apenas’ uns 2,5 milhões dos quase 3 milhões de postos com carteira assinada fechados entre 2015 e 2017”, analisou. “É também o caso de lembrar que a quase totalidade dessas vagas – 94% delas, para ser mais preciso – foram abertas somente nos setores de comércio e serviços. Ao longo de todo o ano, a construção civil, por exemplo, não absorveu 20.000 trabalhadores e a indústria contratou menos de míseros 3.000 trabalhadores com carteira assinada”, relata.



O colunista diz ainda que, de acordo com analistas animados, as perspectivas são de que possam ser abertas este ano entre 600 mil e 800 mil vagas de trabalho formais. “Isso se uma reforma da Previdência emplacar e a economia crescer pelo menos os 2,5% por eles previstos. De todo modo, se essas projeções se confirmarem, o mercado de trabalho com carteira assinada ainda ficaria devendo 1,5 milhão de postos, em relação ao pico de 2014”, equaciona. “Mesmo com um quadro meio mal passado como esse, não surpreende a animação do pessoal do mercado. Afinal, a animação entre eles anda a todo vapor. Ainda não foi afetada, por exemplo, pelos desencontros no governo ou pelos escândalos do filho presidencial, incluindo relacionamento obscuro com milícias em favelas da zona oeste carioca”, diz ele.



Kupfer também comentou a performance do presidente Jair Bolsonaro no Fórum Econômico Mundial de Davos, Suiça, para ele com a repercussão negativa, sobretudo entre analistas e investidores estrangeiros. O colunista classifica como “retraída” a participação de Bolsonaro “no tradicional e luxuoso convescote da alta elite financeira internacional, realizado anualmente na estação de esqui suíça de Davos”. “Uma entrevista do ministro Paulo Guedes foi suficiente para manter a chama acesa”, complementa.



Discrepância



Apesar dessa animação toda, é improvável que, pelo menos em 2019, saia algum coelho da cartola do mercado de trabalho para animar a economia, avalia. “A taxa de desemprego, medida pela Pnad Contínua, está em queda, mas a queda é lenta e, mais do que isso, esconde a incapacidade de absorção de mão de obra formal —sinal de dificuldades de ampliação da atividade econômica. Falar nisso, embora as metodologias sejam distintas, os números de empregos com carteira assinada do Caged não batem e ficam a anos-luz dos números de empregos formais registrados na PnadC, pesquisa da situação do mercado de trabalho do IBGE. Contra, por exemplo, os 530 mil novos postos com carteira contabilizados pelo Caged em 2018, a PnadC apresentava apenas 35.000, nos 12 meses encerrados em novembro de 2018. Os especialistas ainda não encontraram resposta completa e convincente para a discrepância”, afirma.



O fato é que o recuo na taxa “básica” de desemprego está se dando quase exclusivamente nas franjas periféricas da informalidade, diz Kupfer. “A parcela de informais no conjunto da população ocupada só fez crescer ao longo de 2018, chegando ao final do ano a um recorde que se aproxima de 45% do total. Considerando a força de trabalho potencial, a verdade é que o desemprego ‘cheio’ ainda é ascendente. Isso pode ser observado quando se somam aos desocupados os subutilizados (aqueles que trabalham menos de 40 horas semanais, mas dispostos a trabalhar mais) e os desalentados (os que saíram das estatísticas de desocupados por desistência de procurar ocupação). Nessa medida, o desemprego passou de 21% da força de trabalho, em dezembro de 2016, a 22,2%, em novembro de 2018”, constata.



Para o colunista, parece evidente que não é por aí que o consumo das famílias encontrará forças para impulsionar a economia. Trabalhadores sem carteira assinada ou “conta própria” sem CNPJ –eufemismo para aqueles que vivem de “bico” – são, por definição, menos propensos a consumir do que pessoas com ocupação formalizada. “A situação laboral mais instável explica não só o retraimento do grupo ante o consumo. Retração agravada pela obstrução do canal do crediário, cujo acesso é menos facilitado aos que não dispõem de um holerite fornecido pelo empregador para comprovar renda. Consequência dessa situação é que a expansão do consumo tende a ser mais lenta, brecando o ritmo da recuperação da economia, mesmo que esta se encontre num ramo ascendente do ciclo econômico. A animação, nesse ponto, tende a ser frágil”, conclui.
 
Vermelho
 
 
Fonte: sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − cinco =