Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Bolsonaro não aprendeu a governar, e mandato pode ser curto, diz Economist

Jair Bolsonaro é um presidente-aprendiz, diz o título de uma reportagem publicada pela revista The Economist nesta quinta-feira. E ele precisa parar de provocar e aprender a governar de fato, ou corre o risco de ver seu mandato encurtado, avalia o texto publicado junto com uma ilustração que mostra o carro presidencial dirigindo rumo a um abismo na bandeira do Brasil. Apenas três meses após o início do governo, publicações da imprensa internacional têm destacado as instabilidades internas no Planalto e a falta de articulação com o congresso –este tipo de atenção reflete uma possível perda de confiança de investidores estrangeiros no novo presidente. 

 

Apenas três meses após o início do governo, publicações da imprensa internacional têm destacado as instabilidades internas no Planalto e a falta de articulação com o congresso –este tipo de atenção reflete uma possível perda de confiança de investidores estrangeiros no novo presidente. O Financial Times e a Bloomberg publicaram reportagens críticas recentemente, indicando problemas e até mesmo o risco de o novo governo desmoronar.

 

A Economist segue uma linha parecida, e já cita impeachments de presidentes anteriores como um possível risco para Bolsonaro. Collor e Dilma, diz, caíram justamente porque deixaram de ser capazes de governar. O foco dessa percepção externa sobre crise é a reforma da Previdência, vista como essencial pelo mercado, e como "teste crucial" para Bolsonaro. Segundo a Economist, "a aprovação depende de liderança no topo. 

 

Isso está faltando", diz, alegando que Bolsonaro não encontrou uma estratégia alternativa à troca de favores, e que está criando disputas desnecessárias com deputados. "O maior problema é que Bolsonaro ainda não mostrou que entende seu novo emprego. 

 

Ele tem dissipado capital político em seus preconceitos, como em seu pedido para que as Forças Armadas comemorem o aniversário do Golpe Militar de 1964", explica. 

 

Fonte: UOL

 

Fonte: sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + dezenove =