Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Jandira Feghali desmascara "reforma" de Paulo Guedes

A deputada federal foi incisiva no desmascaramento das invectivas do ministro da Economia, Paulo Guedes, na comissão especial sobre a "reforma" da Previdência na Câmara dos Deputados





O momento de maior tensão foi quando ele citou a Venezuela e causou reações de deputados. Provocador, Guedes respondia a um questionamento da deputada Jandira Feghali sobre as iniciativas do governo para solucionar a fila de milhões de desempregados e disse que o governo está tentando levar o Brasil ao caminho da prosperidade e não "ao caminho da Venezuela".



O comentário de Guedes fez deputados da oposição criticarem o ministro, durante a audiência pública. Por conta da confusão, o presidente da comissão da "reforma" da Previdência, Marcelo Ramos (PR-AM), intercedeu e pediu que Guedes se limitasse a falar sobre questões previdenciárias.



Em seus questionamentos na sessão, os deputados falaram principalmente sobre o regime de capitalização, proposto pelo Executivo no texto. Entre as perguntas, está o de quanto é necessário para que se possa bancar a eventual transição para o novo sistema.



Capitalização



O deputado Jorge Solla (PT-BA) sugeriu que a conta seria tão grande que diferentes países já teriam desistido da proposta. "O governo não sabe qual o impacto da capitalização. Em 30 países, 18 voltaram atrás. Vejam qual o custo nesses países", disse. Jandira também cobrou do ministro o detalhamento das despesas. "Qual o custo da transição? Vai comer muito mais que R$ 1 trilhão", afirmou. 



Entre os deputados, também houve críticas de que o regime de capitalização acabaria com o sistema de seguridade ao "privatizar" a previdência, o que na visão deles seria benéfico para os bancos. Valternir Pereira (MDB-MT), por exemplo, afirmou que tem receios que o valor de R$ 1 trilhão acabe nas mãos de "rentistas" e não em melhorias para o país. 



Com informações do Valor Econômico
 
Fonte:sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × quatro =