Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Oposição diz que governo não tem voto para mexer com a aposentadoria

A líder da Minoria na Câmara dos Deputados, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), disse que “o governo não tem quórum para a aprovar a reforma da Previdência que começa nesta terça-feira (9) no plenário da Câmara dos Deputados. “Nem 300 votos tem”, calculou a deputada.

Foto: Richard Silva/PCdoB na Câmara

Jandira Feghali aposta na obstrução para impedir votação da reformaJandira Feghali aposta na obstrução para impedir votação da reforma

Segundo ela, o “kit obstrução” está pronto para ser usado na votação. Além disso, avisou que a Oposição terá como foco os dissidentes. “Vamos trabalhar por dentro das bancadas para ganhar os dissidentes e não deixar votar a reforma ainda no primeiro semestre”, afirmou.



Jandira Feghali diz que a direita defende a reforma, mas mal sabe dizer algo diferente do mantra banqueiro e falacioso de "1 trilhão" do Paulo Guedes. “Tá pra nascer banqueiro que vai defender direito de trabalhador”, escreveu no Twitter.



“Rapaz, nem sob tortura eu aprovo essa reforma contra o povo. Se fosse para tirar o privilégio de quem se aposentou aos 33 anos, virou deputado inútil, colocou todos os filhos como parlamentares tão inúteis quanto, eu até votava. Mas para prejudicar o povão sofrido, nem a pau!”, reagiu o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP). 



Na avaliação do vice-líder da Minoria, José Guimarães (PT-CE), o governo também não tem os 308 votos necessário para aprovar a matéria. “Teremos uma semana longa de grandes debates e, sobretudo, de uma obstrução forte da Oposição. Quero reforçar também que o governo está longe de ter os 330 votos que estão apregoando”, afirmou.



“O Brasil não gerou empregos depois da reforma trabalhista. A economia não cresceu com a PEC do Teto. Por que a situação seria diferente com o desmonte da Previdência?”, disse o líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE).



Para o líder da Oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ) a semana começou com tudo em Brasília. “O foco do Plenário será a votação da Reforma da Previdência de Bolsonaro e Guedes. Estamos firmes na luta contra os retrocessos!”, disse.



 

Fonte:sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − treze =