Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Bolsonaro mente descaradamente na Assembleia da ONU

A coluna Semana Vermelho destaca Bolsonaro mentindo na Assembleia Geral da ONU. Disse que os culpados pelas queimadas são os indígenas e caboclos

(Fotomontagem: PT na Câmara)

Onde está a honestidade? – O dia da mentira pode ser transferido de abril para setembro – tantas foram as infrações da verdade cometidas por Bolsonaro em seu disrcuso na abertura da Assembleia Geral da ONU, mentiras tão descaradas que expõe o Brasil à vergonha e ao escárno mundiais. Além das costumeiras falhs com a verdade em relação ao meio ambiente e à pandemia, Bolsonaro disse naquele discurso que a ajuda emergencial é de mil dólares – algo que a experiência diária dos brasileiroa mais pobres desmente. A pergunta já feita, há oito décadas, numa canção do Noel Rosa, está na ordem do dia: “E o povo pergunta com maldade / Onde está a honestidade? / Onde está a honestidade?” Pergunta que cabe de maneira ampla ao desgoverno comandado pelo Palácio do Planalto. Cabe, por exempl, ao ministro da Educação, Miltom Ribeiro que, com a mesma falsidade e cara de pau, disse numa entrevista que os “culpados” pela homossexualidade “são famílias desajustadas”. Mentiras que descem à base fascistóides do bolsonarismo e vandalizam uma estátua em homenagem a Ariano Suassuna no Recife. De positivo há a registrar a vitória dos trabalhadores dos Correios cuja greve foi julgada não abusiva pelo Tribunal Superior do Trabalho; a campanha das centrais sindicais pela manutenção do valor de 600 reais da ajuda emergencial; e a declaração do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, de que poderá não ser candidato em 2022, e apoiará o candidato de qualquer partido desde que seja capaz de derrotar Bolsonaro.

A mentiras de Bolsonaro na ONU – Um farsante nas Nações Unidas – Em seu temido discurso de abertura nas Nações Unidas, na terça-feira (22), Bolsonaro mentiu em praticamente todas as declarações, algumas mais ultrajantes que outras – disse que o Brasil enfrentou a Covid-19 de forma correta, com preocupação com a vida e o desemprego. Quanto aos problemas meio-ambientais, os incêndios da Amazônia e do Pantanal, Bolsonaro jura que fiscaliza, combate, protege e atribuiu, como culpa pelas queimadas a caboclos e dos índios. Logo após o discurso de Bolsonaro a hashtag #BolsonaroMentiroso alcançou o primeiro lugar na lista dos assuntos mais comentados do Twitter. Deputados e senadores criticaram discurso de Bolsonaro.

Bolsonaro comete deslealdade absurda e inédita, acusa Flávio Dino – Flávio Dino: discurso de Bolsonaro na ONU é de “deslealdade absurda” – Em seu discurso na ONU Bolsonaro culpou governadores, Judiciário e imprensa pela crise sanitária e econômica no Brasil. Mentiu ao dizer que seu governo trata os problemas ambientais com “tolerância zero”. Para o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), foi uma fala desleal e totalmente ilógica. “Deslealdade absurda e inédita para um Chefe de Estado”, criticou o governador.

Lula diz que pode não ser candidato em 2022 – Lula diz que poderá apoiar candidato a presidente de outro partido – o importante, diz, é derrotar Bolsonaro e seu desgoverno, que não se preocupa com o Brasil.

Ministro da Educação comete crime de homofobia – Parlamentares repudiam ministro da Educação por declaração homofóbica – Em entrevista, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse: “Acho que o adolescente que muitas vezes opta por andar no caminho do homossexualismo (sic) tem um contexto familiar muito próximo, basta fazer uma pesquisa. São famílias desajustadas, algumas. Falta atenção do pai, falta atenção da mãe”. O absurdo da declaração provocou reações imediatas. Ele cometeu crime de homofobia, e teve o repúdio de parlamentares, que  vão interpelá-lo criminalmente.

PGR pede ao STF inquérito contra o ministro da Educação por homofobia – A iniciativa partiu do vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, e se baseia em declarações dadas nesta semana pelo ministro ao jornal O Estado de S. Paulo  – A Procuradoria-Geral da República pediu ao Supremo Tribunal Federal a abertura de inquérito contra o ministro da Educação, Milton Ribeiro, por homofobia. – Para Humberto Jacques, Milton Ribeiro pode ser enquadrado no crime de preconceito – ato de “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”, com pena de reclusão de um a três anos e multa .

Barbárie bolsonarista vandaliza estátua em homenagem a Ariano Suassuna – Na segunda-feira (21) a imprensa que uma estátua do escritor Ariano Suassuna, no Recife (PE) foi depredada e tombada  em ato de vandalismo. Em março passado a mesma estátua teve o nariz quebrado, e a do poeta João Cabral de Melo Neto teve o nariz e parte do queixo quebrados, e as placas de identificação pichadas. Esse vandalismo é sintoma de uma cruzada contra a cultura que vem do alto, da presidência de Bolsonaro, que espalha uma onda contra tudo que represente cultura, educação e artes.

A advertência de Rodrigo Maia a Ricardo Salles -Referindo-se ao ministro Ricardo Salles, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia afirmou que a não execução dos recursos destinados à pasta é inconstitucional. O Fundo Nacional sobre Mudança do Clima teve execução de recursos próximo de zero. Maia disse que o fundo conta com uma média de, aproximadamente, R$ 359 milhões por ano. Em 2020, o valor ficou 67% menor e em 2019, a execução foi próxima de zero. Ele destacou o aumento de 30% no desmatamento em relação a 2019 e de aproximadamente 2 milhões de hectares sendo queimados no Pantanal, além da existência de cerca de 65 mil focos de incêndio na Amazônia.

Xô, Salles! – Ministério Público Federal pede para afastar Ricardo Salles do cargo – Pedido de afastamento foi feito há três meses e permanece sem resposta. O Ministério Público Federal enviou petição à Justiça Federal no Distrito Federal insistindo na necessidade de decisão sobre o pedido de afastamento de Ricardo Salles do Ministério do Meio Ambiente, que responde a ação de improbidade administrativa pelo desmonte deliberado de políticas públicas voltadas à proteção ambiental.

Correios – vitória dos trabalhadores – Tribunal Superior do Trabalho julga greve dos trabalhadores do Correios não abusiva – Uma vitória dos trabalhadores! O Tribunal Superior do Trabalho já tem maioria de votos para afastar a abusividade da greve dos Correios, que estão paralisados desde 17 de agosto. Quatro ministros concordam com a relatora do processo, ministra Kátia Arruda, de que os trabalhadores foram provocados pela empresa a fazer greve, ante a retirada de praticamente “todos os direitos que construíram ao longo da história”.

Nenhum real a menos – Centrais sindicais dizem que auxílio de R$ 600 pode evitar cenário trágico – Em texto divulgado pela imprensa, na terça-feira (21), dirigentes das centrais sindicais não aceitam a redução no valor do auxílio emergencial. Nenhum real a menos, exigem.

E aí, Aras? – Ministro do STF cobra resposta de Aras sobre ação contra clã Bolsonaro – O ministro do STF Alexandre de Moraes deu cinco dias para que o procurador-geral da República, Augusto Aras, se manifeste sobre um pedido de investigação contra Bolsonaro e seus filhos, apresentado ao STF em julho, pela líder da bancada do PCdoB na Câmara, deputada Perpétua Almeida (AC), após desarticulação de uma rede de disseminação de fake news pelo Facebook que envolve o clã Bolsonaro e aliados do PSL.

Vermelho

Fonte:sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × dois =