Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Dificuldade para contratar faz empresas dos EUA buscarem estrangeiros

Problema maior é enfrentado por companhias que precisam contratar pessoal para atividades que requerem pouca qualificação

 

Ronda Fox finalmente recebeu a notícia em meados de junho, três meses depois: o governo dos Estados Unidos aprovou a sua candidatura para empregar mais de uma dúzia de trabalhadores estrangeiros temporários para sua empresa familiar de jardinagem, em Aurora (Centro-oeste dos EUA). Ela esperava ter sua equipe até o 1 de abril. "Antes tarde do que nunca", disse Fox. 

 Em Centennial, bem próximo a Aurora, Phil Steinhauer enfrentou o mesmo desafio de contratação para o seu negócio de paisagismo. Op edido para contratar 150 trabalhadores estrangeiros temporários foi selecionado por meio do sorteio federal na primeira rodada e seus empregados estavam a postos quando a temporada começou. 

 Steinhauer, no entanto, está longe de estar feliz com a forma que teve que adotar para conseguir preencher essas vagas. "Não dá para estruturar um negócio com base em uma loteria", disse ele. 

 O que os dois empresários têm em comum é a necessidade do programa de vistos H-2B, que permite que trabalhadores sem qualificação provenientes do México, das Filipinas, da Jamaica e de dezenas de outros países, tenham empregos temporários não relacionados à agricultura nos Estados Unidos. 

 Amplo debate

A utilização de mão de obra estrangeira em trabalhos sazonais – empregos com salários baixos que os americanos normalmente desprezam – é constantemente debatida. Mas um mercado de trabalho com pouca disponibilidade de mão de obra e as tensas políticas de imigração acrescentaram nova urgência a essa questão em um ano eleitoral, quando republicanos e democratas lutam para ter o controle no Congresso. 

 Sindicatos e os que se opõem à imigração argumentam que o programa achata salários e priva os americanos de empregos. Grupos de defesa afirmam que os trabalhadores estrangeiros são frequentemente explorados. Já os empregadores insistem que a recusa de enfrentar a escassez de trabalhadores só incentiva as empresas a contratar imigrantes sem autorização com salários abaixo do mercado. 

Leia também: A imigração pode prejudicar a economia de um país? A volta de um preconceito

Mas, neste ano os conflitos se intensificaram. As taxas recordes de empregabilidade deixaram paisagistas, restaurantes, hotéis, parques de diversões e outros negócios lutando por trabalhadores com pouca formação para serviços sazonais. As mudanças nas regras que regem o programa pegaram muitos empregadores de surpresa, ameaçando a indústria de caranguejos em Maryland (Noroeste dos EUA) e os retiros para turistas no Maine (Noroeste dos EUA). 

 O programa de vistos também acirra o debate sobre imigração. Para Steinhauer, "é uma questão trabalhista que permeia o debate sobre a imigração porque as pessoas vêm de países estrangeiros, e os EUA estão muito divididos em relação a esta questão".  O Congresso cortou o número anual de vistos H-2B para 66 mil – uniformemente divididos entre o inverno e verão.

Mudança nas regras

Trabalhadores de anos anteriores costumavam ser excluídos da quota, mas o Congresso parou com essa prática em 2017, em resposta às queixas de que os estrangeiros teriam minado o trabalho dos americanos. Este ano, o tradicional "quem chega primeiro, leva" foi substituído por um sistema de loteria depois que o governo ficou sufocado com tantos requerimentos. Alguns usuários de longa data como Fox, que disse ter preenchido o formulário para sua candidatura às 12h01 de 1/ de janeiro, ficaram de fora. 

 Em maio, após solicitações frenéticas, o departamento de segurança interna concordou em emitir 15 mil vistos adicionais. Desta vez, Fox teve sorte e conseguiu uma dúzia de funcionários, embora sua equipe, já veterana de outras temporadas, não conseguiria chegar do México em junho. 

Leia também: 8 coisas que você precisa saber sobre imigração nos EUA

As empresas têm que provar que não conseguiram preencher esses postos de trabalho. "Não dá para encontrar trabalhadores confiáveis com salário de US$15 (R$ 58) a hora", a faixa salarial dominante no Colorado, disse Fox. A região tem uma taxa de desemprego de 2,5%, por isso, quando se trata de contratar, ela disse: "Não há abelhas operárias suficientes por aqui". 

 Riscos para as empresas

Contadora pública certificada, Fox balança a cabeça quando ouve economistas insistirem que a teoria dita que os salários devem aumentar até que estejam no patamar que atraia trabalhadores.  Sua empresa, a All Seasons Landscaping, localiza-se nos arredores de Denver. Lá, há uma proporção bastante elevada de pessoas com ensino superior completo e uma taxa de desemprego extraordinariamente baixa; o salário médio de trabalhadores que não são independentes é em média de U$ 63 mil (R$ 244 mil) ao ano . 

 O trabalho com jardinagem é duro. Escavar a terra e lidar com equipamentos pesados sob um calor escaldante resulta em problemas nas costas e mãos machucadas. Os trabalhadores sem qualificação preferem ganhar um salário similar fazendo sanduíches ou trabalhando em um armazém com ar-condicionado. 

 "Colocamos um anúncio de US$ 5 mil (R$ 19,4 mil) no The Denver Post (o jornal local( e não tivemos retorno", disse Fox. O pagamento de um salário alto o suficiente para atrair trabalhadores locais a colocaria fora do mercado, afirmou. 

 Como Fox e outros paisagistas, Steinhauer assinou contratos com clientes no ano passado, com base no pressuposto de que sua equipe ganharia aproximadamente US$15 por hora. "Esses são postos de trabalho para pessoas sem qualificação. Você pagaria US$50 para plantar um arbusto em seu jardim?", questionou ele. 

 "Mesmo com a economia caminhando bem como está, eu não conheço muitas famílias que incentivem seus filhos a trabalhar com jardinagem. E quem gostaria de ter um emprego onde você é demitido em novembro e só volta na próxima temporada?", acrescentou. 

 Agenda de Trump

Criar empregos, especialmente para os trabalhadores de escritório negligenciados e reduzir a imigração têm sido pautas centrais na agenda do presidente Donald Trump, além de grande chamariz para seus apoiadores. As taxas mais baixas de desemprego embasam o discurso republicano de que a economia está melhorando. E a posição cada vez mais dura quanto à imigração fornece um quadro para as políticas de administração em relação aos imigrantes legais, assim como aos ilegais. 

 Ao mesmo tempo, muitos empresários e pequenos comerciantes dizem ter encontrado um espírito amigo na imagem de um empresário que virou presidente e que, portanto, entende-os e age rapidamente frente às suas necessidades. Afinal, os trabalhadores H-2B são contratados regularmente em Mar-a-Lago, seu clube de campo em Palm Beach, Flórida, assim como em outras propriedades de Trump. 

 Steinhauer e Fox disseram que não culpam Trump pelas falhas no programa H-2B, observando que havia problemas semelhantes nas gestões dos presidentes Barack Obama e George W. Bush.  "Eu culpo o Congresso. A questão é tóxica. Todos na política têm medo de tomar qualquer atitude", disse Fox. 

 

Fonte: Gazeta do Povo, 16 de julho de 2018.

 

Fonte: sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × um =