Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Gazeta do Povo: Comando envelhecido fragiliza entidades patronais em todo o país

De 99 entidades pesquisadas, em 41 delas os presidentes já ultrapassaram oito anos no cargo. Muitos estão há mais de 30 anos na presidência

 

Antônio Oliveira Santos (CNC) está na presidência da CNC há 38 anos, Fábio de Salles Meirelles  comanda a Faesp há 43 e Abram Szajman  lidera a Federação do Comércio de SP há 34. | Divulgação

Antônio Oliveira Santos (CNC) está na presidência da CNC há 38 anos, Fábio de Salles Meirelles comanda a Faesp há 43 e Abram Szajman lidera a Federação do Comércio de SP há 34. Divulgação

 

 

Há 43 anos no cargo, Meirelles é o mais longevo dos líderes do patronato brasileiro, mas não o único a se eternizar no poder.

Antonio Oliveira Santos ocupa a presidência da CNC (Confederação Nacional do Comércio) faz 38 anos. José Arteiro da Silva, Abram Szajman e José Roberto Tadros também estão no comando das federações do comércio de Maranhão, São Paulo e Amazonas há, respectivamente, 35, 34 e 32 anos.

José Zeferino Pedrozo é presidente da Federação da Agricultura de Santa Catarina faz 28 anos.

Nas últimas duas semanas, a reportagem da Folha de S.Paulo pesquisou as 114 confederações e federações de agricultura, indústria, comércio e transportes do Brasil. Obteve, por internet e telefone, informações de quase uma centena delas.

O resultado mostra um sistema envelhecido, com baixa rotatividade e diversidade, cada vez mais político, e sobre o qual pairam suspeitas de nepotismo, desvio de recursos e corrupção.

Das 99 entidades em que foi possível obter dados, 41 presidentes já ultrapassaram oito anos no cargo, o equivalente a um mandato de quatro anos e uma reeleição. Pior: 17 dirigentes estão no comando faz mais de duas décadas.

Não existe hoje nenhuma mulher na cúpula do patronato -a mais importante delas foi a senadora Kátia Abreu (PDT-TO), que deixou a presidência da CNA (Confederação Nacional da Agricultura) em 2016.

O sistema sindical patronal se tornou um trampolim eleitoral, como já ocorreu com sindicatos de trabalhadores e cujo exemplo mais impactante é o ex-presidente Lula.

Pelo menos dez comandantes de federações estão licenciados em todo o país para se candidatar em outubro -o mais conhecido deles é Paulo Skaf, presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), que concorre ao governo.

O levantamento da Folha de S.Paulo, porém, mostra apenas o topo da pirâmide.

É provável que o mesmo retrato se repita pelos sindicatos patronais que compõem federações, que, por sua vez, se agrupam em confederações. Existem 5.275 sindicatos patronais -69% urbanos e 31% rurais.

Desinteresse e politicagem

Pessoas que conversaram com a reportagem sob a condição de anonimato dizem que dois fenômenos distintos explicam a longevidade dos líderes.

O primeiro é a falta de disposição das multinacionais, que chegaram em peso ao Brasil nos últimos anos, para o comando de entidades.

Sem querer expor os executivos, deixam as entidades para empresários locais, que são cada vez mais raros.

O segundo é o abuso de poder por parte do comando das federações, que se aproveitam da pouca representatividade e do baixo poder econômico de muitos sindicatos para conquistar voto com pequenos favores.

Há também casos de fraude, com sindicatos que existem apenas no papel.

O exemplo mais evidente é o do Amapá, onde Sesi e Senai estão sob intervenção desde 2013, quando a então presidente da Fiap (Federação das Indústrias do Amapá), Joziane Araújo Rocha, foi afastada.

Ela foi acusada de forjar a existência de sindicatos para controlar a federação e de desviar recursos do sistema S. Depois de cinco anos, as eleições para a presidência da Fiap estão marcadas para julho.

É comum que um mesmo grupo político permaneça no comando, mesmo quando troca o presidente. Há exemplo de dirigente que só deixa o cargo por problemas de saúde e é substituído por pessoa de confiança -e, em um caso, acabou tudo em família.

Na Fetracan (Federação das Empresas de Transporte de Carga do Nordeste), o pernambucano Newton Gibson assumiu a presidência em 1989, dois anos após a fundação, e ficou até 2015, quando adoeceu.

Deixou o filho, Nilson Gibson como presidente interino, que acabou eleito em 2017.

Há nove anos, os representantes do sindicato do Ceará travam uma batalha judicial para assumir o comando da Fetracan, sem sucesso.

 

Fonte: Gazeta do Povo, 16 de julho de 2018.

 

Fonte: sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − 7 =