Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Economist pede que instituições resistam à ‘tragédia’ Bolsonaro

Revista ataca o 'fã de Pinochet' Paulo Guedes, que defende ideias contrárias a Adam Smith, 'o pai da economia liberal'

 

A diferença está “estreitando”, como noticiou o New York Times, com Reuters, mas a Economist, em mais um editorial sobre o Brasil, já pensa na futura oposição.

Sob o título “Contendo Jair Bolsonaro”, diz que “um presidente com instintos autoritários precisa ser enfrentando por uma oposição democrática unida”. Que a democracia brasileira é jovem, “mas não fraca”. E que, por exemplo, “a imprensa já está desafiando Bolsonaro, que é o motivo por que, como Trump, ele a acusa de espalhar ‘fake news’”.

Acrescentando Congresso e Judiciário, afirma que as três “instituições podem frustrar alguns dos piores planos de Bolsonaro”. Que “parlamentares, juízes, jornalistas e servidores públicos terão que trabalhar duro para limitar o dano”.

De qualquer maneira, “que um homem assim vá provavelmente liderar o maior país da América Latina é uma tragédia”.

A edição também traz longa reportagem, quase ensaio, intitulada “Jair Bolsonaro e a perversão do liberalismo”, com a ilustração acima. Critica a tentativa de “reviver o casamento profano da América Latina entre economia de mercado e autoritarismo”, que vem desde que a região abraçou o positivismo.

Diz que ele “é fã de Pinochet” e que “Paulo Guedes também é” —ele que “deu aulas na Universidade do Chile” sob comando de um economista do ditador e que agora propõe um IR unificado, sendo que “Adam Smith, o pai da economia liberal, defendia imposto progressivo”.

Lembra que, no Chile, “o resultado foi economia dominada por poucos conglomerados, altamente endividada em dólar e centrada em bancos privados”.

TRAGÉDIA 2

Reuters deu rara coluna sobre o Brasil, assinada por Dom Philips, dizendo que um governo Bolsonaro “pode derrubar a visão do mundo sobre o Brasil”. Que “não são os anos 1970” e o isolamento seria grande. E que ele pode se ver “presidindo um país que virou tragédia”.

AMEAÇA À DEMOCRACIA? NÃO

Financial Times, de cobertura mais simpática ao candidato, destacou: “Bolsonaro põe em risco a democracia do Brasil?”. A longa reportagem se estende por entrevistados respondendo que não, caso do professor de América Latina da escola de guerra do exército dos EUA, Evan Ellis:

“Os militares serão os primeiros a rejeitar as tentativas de usá-los de maneiras que vão além de sua autoridade constitucional.”

PT CONTINUA

Em texto posterior e menor, o FT diz que, “com todos os seus problemas, o PT não pode ser apagado” do país, listando a mensagem de maior igualdade social, a máquina "formidável" e até o fato de ser beneficiado, na oposição a Bolsonaro.

POUCO EMPREGO, MUITA RAIVA

Wall Street Journal, linkado pelo Drudge Report, ambos veículos de referência da direita americana, foram mais descritivos às vésperas da votação. Com foto de Bolsonaro, a chamada em ambos foi: “Com pouco emprego e muita raiva, brasileiros vão às urnas”.

Em contraste, o esquerdista francês Libération publicou títulos como “Apocalypse Now!”, sobre o Brasil de Bolsonaro.

 

SACRÁRIO

Bloomberg entrou na sala de Eduardo Bolsonaro, fotografou e deu enfatizando que a família tem "um sacrário para a NRA", o lobby de armas dos EUA.

Também para os presidentes americanos George Washington, em imagem de quando era general, Ronald Reagan e Donald Trump, este com um chaveiro de pistola, junto ao livro "Amazônia Azul: A Última Fronteira", publicado pela Marinha do Brasil (foto acima).

 
Nelson de Sá

Jornalista, foi editor da Ilustrada.

 
Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do que afirmou nota da coluna Toda Mídia de 26/10, o livro "Amazônia Azul: A Última Fronteira" não é sobre a Amazônia, mas sobre a Amazônia Azul, como é chamado o território marítimo brasileiro. O texto já foi corrigido. 

 

Fonte: Folha de S.Paulo, 1 de novembro de 2018.

 

Fonte: sintracimento.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 5 =