Filiado à:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Ladrilhos Hidráulicos, Produtos de Cimento, Fibrocimento e Artefatos de Cimento Armado de Curitiba e Região

Reforma Trabalhista: 12 direitos suprimidos na CLT; saiba quais

Esse debate é recorrente. Os empresários sempre que se referem à Reforma Trabalhista afirmam, com empáfia, que não houve supressão de direitos. O relator do projeto na Câmara, ex-deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) e atual secretário da Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, num debate no Congresso, nesta terça-feira (16), sobre a reforma da Previdência, quando foi questionado pelo deputado Rogério Correia (PT-MG), Marinho pediu para que Correia apontasse quais direitos haviam sido suprimidos com a Lei 13.467/17, a Reforma Trabalhista.

direitos suprimidos reforma trabalhista

Diante da pertinência do momento, já que a reforma da Previdência é complementar à Emenda à Constituição (EC) 95/16, como a Trabalhista também o é, listamos, a fim de esclarecer e registrar, os direitos que foram suprimidos com a Reforma Trabalhista, em vigor desde 11 de novembro de 2017.

Acesse o acervo do DIAP sobre a Reforma Trabalhista

Basta análise rápida e até mesmo superficial para ver que de fato a Lei 13.467 é extremamente penosa para o trabalhador, pois retirou ou mitigou direitos duramente conquistados. Antes considerada uma lei protetora dos trabalhadores, passou a ser a “lei de proteção ao empresariado”.

Leia os 12 itens em que que o trabalhador foi prejudicado, com retirada ou mitigação de direitos. Informações com base em dados da Jusbrasil:

1) Quitação anual

“Art. 507-B. É facultado a empregados e empregadores, na vigência ou não do contrato de emprego, firmar o termo de quitação anual de obrigações trabalhistas, perante o sindicato dos empregados da categoria”.

O problema do artigo vem na correspondência do enfraquecimento do sindicato, em que principalmente os sindicatos menores e mais frágeis poderão ser atropelados no processo de homologação e quitação sem qualquer conferencia de direitos e deveres do empregador.

A alteração não trouxe qualquer vantagem ao trabalhador que em alguns casos poderá ser conduzido ao termo de quitação anual sobe a influência e coação do empregador.

A lei, apesar de escrever que este termo deve ser realizado no sindicato, não obriga o sindicato a qualquer conferencia de direitos ou responsabilização. Desse modo, fica o empregado que, em regra, não conhece a totalidade de seus direitos diante do representante da empresa que dirá, via de regra, que tudo está certo.

A quitação anual de obrigações prejudica enormemente a discussão posterior de direitos e é muito criticada por advogados trabalhistas, e também pelos empregados, que em regra, aqueles aconselham a não assinarem tal termo sob o risco de prejudicar qualquer ação futura.

2) Deixam de ser consideradas como integrantes da jornada atividades como descanso, estudo, alimentação, higiene pessoal e troca do uniforme

§ 2º Por não se considerar tempo à disposição do empregador, não será computado como período extraordinário o que exceder a jornada normal, ainda que ultrapasse o limite de cinco minutos previsto no § 1o do art. 58 desta Consolidação, quando o empregado, por escolha própria, buscar proteção pessoal, em caso de insegurança nas vias públicas ou más condições climáticas, bem como adentrar ou permanecer nas dependências da empresa para exercer atividades particulares, entre outras: IV – estudo”.

A CLT considerava, como regra, que o funcionário deveria receber por todo o período em que estava à disposição do empregador, incluindo cursos realizados de interesse da empresa em dias de folga ou fora do expediente normal de trabalho.

O problema é que passou, com a nova regra, a deixar inseguro se estes cursos que antes a Justiça entendia que deveriam ser considerados como horas de serviço, se agora serão remunerados, ou não.

O artigo não define o que entende como estudo. Se este estudo compreende o que for benéfico ao trabalhador e seja sua vontade aprender ou se estudo também é considerado cursos da empresa sobre manuseio no próprio trabalho.

Nada dizendo, nada impede que a empresa convoque o funcionário para treinamentos de interesse único da empresa com a nomenclatura de “estudos” fora do horário do expediente, ou aos sábados e domingos sem que o funcionário nada receba por este tempo à disposição.

Sabe-se que muitas empresas exigem a participação de seus funcionários com a mensagem clara de que sua falta poderá prejudicar seu emprego.

A resposta do que se considerarão estudos ficará a critério da Justiça diante a má fé do legislador em tornar o termo genérico propositalmente.

3) Horas In Itinere: direito excluído

“§ 2º O tempo despendido pelo empregado desde a sua residência até a efetiva ocupação do posto de trabalho e para o seu retorno, caminhando ou por qualquer meio de transporte, inclusive o fornecido pelo empregador, não será computado na jornada de trabalho, por não ser tempo à disposição do empregador”.

O direito excluído era garantido pelo Artigo 58, parágrafo 2º da CLT, funcionava resumidamente nos casos em que o local de trabalho era de difícil acesso e não servido por transporte público, em que era necessário o transporte oferecido pela própria empresa, este tempo de deslocamento era computado como horas trabalhadas.

4) Banco de horas: fim das horas extras. As empresas poderão negociar diretamente com empregados a compensação das horas extras trabalhadas

§ 6º É lícito o regime de compensação de jornada estabelecida por acordo individual, tácito ou escrito, para a compensação no mesmo mês.” (NR)

Praticamente acabaram-se as horas extras. O artigo da lei trouxe a palavra moderna “acordo individual”, ou seja, “negociação patrão x empregado” para autorizar o banco de horas.

Esta cláusula é tão benéfica à empresa que mesmo não tendo negociação é difícil provar isto. Visto que pode ser alegada que foi feita até tacitamente, ou seja, não escrita.

Sabemos, e certamente os legisladores também sabem que empregado num país de desempregados não tem a mínima condição de negociar nada, ou aceita ou fica desempregado.

Este acordo que a norma determina funcionará no dia a dia da empresa, sem qualquer escolha do empregado. É assinado em anexo ao contrato de trabalho.

5) Intervalo de refeição poderá ser de 30 minutos mediante acordo, se não for concedido ou for concedido parcialmente o funcionário terá direito a acréscimo de 50% da hora normal de somente sobre o tempo não concedido

“Art. 611-A. A convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho têm prevalência sobre a lei quando, entre outros, dispuserem sobre o intervalo intrajornada, respeitado o limite mínimo de trinta minutos para jornadas superiores há seis horas”;

Com a nova regra, o tempo de almoço poderá ser negociado no que ultrapassar 30 minutos. Apesar de a lei esclarecer que tal ato deve ser negociado via sindicato, a simples possibilidade deveria ser proibida como assim era, visto que a nosso ver a possibilidade de descanso para refeição de 30 minutos ataca a saúde do trabalhador e nunca poderia ser matéria de discussão.

O intervalo de refeição não serve somente para o empregado fazer sua refeição, mas proporcionar um mínimo de tempo para recuperação física e psíquica para continuar trabalhando, além de realizar outras necessidades pessoais.

O ser humano não é máquina, não basta simplesmente parar num posto, abastecer e esperar-se que mantenha a mesma força e concentração por longos períodos.

A lei chega ao absurdo de permitir a existência da possibilidade, por exemplo, de o trabalhador numa indústria em trabalho de risco ou elevado sacrifício físico trabalhe 12 horas seguidas, com intervalo de 30 minutos.

“Art. 59-A. Em exceção ao disposto no art. 59 desta Consolidação, é facultado às partes, mediante acordo individual escrito, convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho, estabelecer horário de trabalho de doze horas seguidas por trinta e seis horas ininterruptas de descanso, observados ou indenizados os intervalos para repouso e alimentação.”

Somente a possibilidade que a lei permite, já é um absurdo, nem um robô talvez conseguisse fazer isso sem carregar suas baterias por mais tempo que o ser humano terá para “carregar suas baterias”.

Sabemos que um carro numa longa viagem de 12 horas necessita abastecer mais de uma vez, somado somente o abastecimento possivelmente terá mais descanso que o trabalhador brasileiro como direito.

A lei bonifica a empresa que desrespeitar o intervalo mínimo de refeição, visto que antes para o intervalo não concedido o empregador pagava no processo trabalhista. O empregador como medida a desestimular o não oferecimento do intervalo integral, pagava todo o intervalo não oferecido. Hoje com a lei, somente tem obrigação de pagar os minutos que deixou de oferecer.

Ainda foi legalizado pelo legislador, agora, os incentivos a desrespeitar o intervalo, vejam:

Antes o percentual de horas do intervalo não oferecido era pago como se fossem extras, num percentual de 100% e agora passou a 50%.

“Art. 59-B. O não atendimento das exigências legais para compensação de jornada, inclusive quando estabelecida mediante acordo tácito, não implica a repetição do pagamento das horas excedentes à jornada normal diária se não ultrapassada a duração máxima semanal, sendo devido apenas o respectivo adicional.”

“§ 4º A não concessão ou a concessão parcial do intervalo intrajornada mínimo, para repouso e alimentação, a empregados urbanos e rurais, implica o pagamento, de natureza indenizatória, apenas do período suprimido, com acréscimo de 50% (cinquenta por cento) sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho.”

A medida como mencionado tornou bom negócio o desrespeito ao intervalo do funcionário. Vejamos que as horas extras domingos e feriados giram em torno de 100% a 150% por força de convenções sindicais.

Com a medida, o empregador que usa o intervalo do funcionário nestes dias, ao invés de pagar como percentual mínimo de 100%, agora foi premiado a pagar metade disto, ou seja, 50% somente sobre o tempo que subtraiu do intervalo. É, sem dúvida, um excelente negócio.

6) Especifica pontos em que a negociação coletiva, se houver, se sobrepõe a direitos previstos na CLT

• Pacto quanto à jornada de trabalho, observados os limites constitucionais;

• Banco de horas individual;

• Intervalo intrajornada, respeitado o limite mínimo de 30 minutos para jornadas superiores há seis horas;

• Adesão ao Programa Seguro-Emprego;

• Plano de cargos, salários e funções;

• Regulamento empresarial;

• Representante dos trabalhadores no local de trabalho;

• Teletrabalho ou home office e trabalho intermitente;

• Remuneração por produtividade, incluídas as gorjetas e remuneração por desempenho individual;

• Modalidade de registro de jornada de trabalho;

• Troca do dia de feriado;

• Identificação dos cargos que demandam a fixação da cota de aprendiz;

• Enquadramento do grau de insalubridade;

• Prorrogação de jornada em ambientes insalubres;

• Prêmios de incentivo em bens ou serviços; e

• Participação nos lucros ou resultados da empresa.

Ferramenta perigosa entre sindicatos, o poder de relativizar direitos da CLT.

A lei, primeiro fragiliza o sindicato retirando sua principal fonte de renda que era obrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical, situação apresentada como grande vitória da classe trabalhadora. Entretanto, o que acontece parece calculado, deixa-se o representante dos trabalhadores enfraquecido diante interesses de um grupo econômico ainda mais rico e protegido por uma Reforma Trabalhista com a intenção clara de defender seus interesses.

Não precisa ser um gênio para ver que muitas negociações, principalmente aquelas de sindicatos pequenos. Sentarão à mesa representante da empresa ainda mais rico e do outro lado representante dos empregados muito mais pobre lutando também por sua sobrevivência.

Não se pode esquecer que somente um sindicato forte conquista direitos para os empregados, pois na atual conjuntura do mercado de trabalho é quase impossível à mobilização individual ou de poucos funcionários para que o empregador ouça anseios e necessidades de seus funcionários.

7) O trabalhador autônomo que preste serviço continuamente e com exclusividade não é considerado como empregado

“Art. 442-B. A contratação do autônomo, cumpridas por este todas as formalidades legais, com ou sem exclusividade, de forma contínua ou não, afasta a qualidade de empregado prevista no art. 3o desta Consolidação.”

“Art. 443. O contrato individual de trabalho poderá ser acordado tácita ou expressamente, verbalmente ou por escrito, por prazo determinado ou indeterminado, ou para prestação de trabalho intermitente.

Comum à tentativa de algumas empresas tentarem afastar direitos do trabalhador conduzindo-o à obrigatoriedade de que para trabalhar na empresa deveria então o empregado abrir uma microempresa para que exercesse a função como autônomo.

Entretanto, a Justiça era atenciosa a esta maquiagem na forma da contratação para afastar direitos previstos na CLT, sendo considerado funcionário mesmo o autônomo, desde que ele tenha todas as características de qualquer funcionário contratado pela empresa, a exemplo: exclusividade, eventualidade e subordinação.

A Lei Trabalhista, agora reformada, afasta este entendimento, descriminando que não interessa se o empregado autônomo desempenhe funções de empregado, bastando somente à formalidade da declaração de autônomo para afasta-lo de todos os direitos celetistas.

Deixa-se assim o mercado de trabalho desprotegido, pois se a média é oferecer emprego com especial atenção a formalidade, o que o artigo fez, foi justamente o contrário, favorecer o serviço informal com a troca gradual do empregado registrado pelo autônomo com nenhum, ou quase nenhum, direito celetista.

8) Independente do tempo de serviço à rescisão não necessitará ser homologada no sindicato

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − dez =